quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Dica de leitura para as mamães

Hoje a equipe pedagógica da Educação Infantil do CLQ traz uma sugestão de leitura para as mamães: "Crianças francesas não fazem manha - os segredos parisienses para educar os filhos”, de Pamela Druckerman.



Seguem alguns trechos interessantes do livro, que podem auxiliar as famílias na condução da educação dos filhos:

Rosseau diz que a maior armadilha para os pais é pensar que, porque uma criança consegue argumentar bem, o argumento dela merece o mesmo peso do que o seu. "A pior educação é deixá-la à deriva entre a vontade dela e a sua, e disputar eternamente quem dará ordens, você ou ela".

"Sabe qual é a maneira mais certa de deixar seu filho infeliz? É acostumá-lo a receber tudo" (Rousseau).

Em breve traremos novas dicas de livros para as mamães!



quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Por que incentivar hábitos de vida mais saudáveis desde cedo


No dia 16 de outubro é comemorado o Dia Mundial da Alimentação. Ele é celebrado em mais de 150 países como uma importante data para conscientizar a opinião pública sobre as questões relacionadas à nutrição e à alimentação em geral.
Dentro deste contexto, um tema que logo nos vem à mente é a obesidade infantil. Isso porque, se, há alguns anos, uma “criança gordinha” era sinônimo de “saúde”, hoje, isso é, em alguns casos, motivo de preocupação. Atualmente, um terço dos pequenos no Brasil sofre de sobrepeso ou de obesidade. 
Uma criança com sobrepeso pode tornar-se um adolescente obeso e, consequentemente, apresentar risco muito mais alto de ser assim para a vida inteira. Pesquisas, inclusive, revelam que 80% dos adolescentes que sofrem de obesidade permanecerão obesos quando adultos. 
Por este motivo, a preocupação com a alimentação dos pequenos deve começar cedo. A criança precisa de uma dieta saudável e equilibrada, em que haja a combinação de frutas, verduras, legumes, carboidratos e carnes magras.Os pais também devem evitar o consumo de doces e refrigerantes, pois servem de exemplo para os pequenos. 
Proibir a ingestão destes produtos, porém, não resolve o problema. O mais importante é o diálogo dos pais com os filhos. Eles precisam conscientizar a criança de que ela também é responsável pelo o que ingere diariamente e pelo seu corpo. E, neste caso, o exemplo é a melhor opção. Normalmente, os pequenos seguem os hábitos alimentares da família. 
O exemplo também deve ser dado para incentivar a prática de esportes. As crianças devem praticar atividades de qualquer natureza, seja na escola, seja em outro ambiente. E se os pais já costumam se exercitar, isso se torna motivador para os pequenos! É fundamental se prevenir, afinal, o sedentarismo na idade adulta é uma das maiores causas de ganho de peso, diabetes, hipertensão e aumento de risco de infarto.


Com informações: blog.saoluiz.com.br


domingo, 12 de outubro de 2014

Semana da criança

“As crianças não brincam de brincar. Brincam de verdade”. (Mário Quintana)

Que o dia das crianças seja cercado de muitas risadas, brincadeiras, amigos, família e muito amor!

Equipe da Educação Infantil do CLQ.












sábado, 11 de outubro de 2014

Semana da criança

“Por meio da educação, a criança vai se reconhecer como membro vivo do todo”. (Friedrich Froebel)


sexta-feira, 10 de outubro de 2014

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Semana da criança

“Um dos maiores danos que se pode causar a uma criança é levá-la a perder a confiança na sua própria capacidade de pensar”. (Emilia Ferreiro)





quinta-feira, 2 de outubro de 2014

“Mini Chef” estimula as crianças do G3 a fazerem suas próprias receitas.




A clássica história da Galinha Ruiva, que, no enredo, faz um bolo de milho, foi o pontapé inicial para o Projeto “Mini Chef” com os alunos do G3.
“Nós contamos a história da Galinha Ruiva para as crianças, nos fantasiamos de animais e a Professora Daniela Salles representou a galinha... No dia seguinte, ela foi a chef do dia, fazendo um bolo de milho para os alunos”, relata Milene, professora do G3.



O “Mini Chef” é um dos projetos de maior sucesso da Educação Infantil há anos! “Na reunião de pais foi comunicado que a ideia era escolher uma receita significativa, algo que a criança gostasse de comer, de ajudar a mãe a fazer em casa... Enfim, algo que ela mesma escolhesse”, conta Letícia, também professora do G3.
Após a introdução ao projeto com a história da Galinha Ruiva, os alunos assistiram a vídeos de  crianças cozinhando. “Eles ficaram muito interessados, sem piscar, e perguntavam se com eles também seria daquele jeito”, comenta Letícia.
As professoras explicaram, então, que chegaria o dia de cada um ser o “Mini Chef”, conforme um sorteio que definiria o dia em que cada um faria sua receita em sala de aula. Com toda a preparação, eles ficaram superanimados!



“Com o projeto já em prática, o que a gente percebe é que a maioria das crianças realmente faz aquela receita com a mãe em casa, tem interesse naquilo”, diz Daniela Salles. “Uma vez estávamos fazendo bolinho de chuva com um aluno da minha sala e aí eu falei pra ele, vamos pôr o fermento?, e ele falou não, o fermento é por último... Percebi que ele sabia a receita, foi bem legal”, relata.
Mas este é apenas um dos exemplos de como as crianças estão envolvidas nestas atividades! “A gente considera que essa é uma ação muito interessante para os alunos, não só pelo simples fato de eles cozinharem, mas também porque envolve a questão da interação com a família, sem falar de todos os conhecimentos que esta atividade agrega”, comenta Milene, do G3.



Prova de que os alunos do G3 estão adorando a prática é ver a expectativa que cada um sente quando está chegando o dia de ser o mini chef do dia: “sentem-se importantes, responsáveis, o que é muito positivo para a formação deles, pois estimula a autonomia", finaliza a professora Daniela Salles.